top of page

Manutenções da "Tchuc-Tchuc" e "Furanga Kid"

Realizada a manutenção destas duas vias fabulosas, ambas no Morro dos Cabritos, sendo a "Furanga Kid" na Lagoa (Parque da Catacumba) e a "Tchuc-Tchuc" em Copacabana, com acesso pela Rua Constante Ramos.

João Pedro no rapel da "Tchuc-Tchuc", durante a manutenção
João Pedro no rapel da "Tchuc-Tchuc", durante a manutenção

Conquistadas (de certa frma) há pouco tempo, no ano de 2016, estas duas vias acabaram virando opções bastante procuradas, pelo fácil acesso, pela boa extensão das linhas, pelas graduações medianas, pelos lances muito interessantes, proteções justas e, sobretudo, pela bela vista que ambas conferem aos escaladores.


Na época da conquista, o material utilizado para a proteção foi dividido entre grampos de aço carbono de meia polegada e chapeletas simples, também em aço carbono. Ocorre que a região, pela sua proximidade com o mar, acarreta uma degradação precoce às proteções com este tipo de material, fazendo com que as manutenções necessitem ser realizadas com relativa frequência. E a degradação das chapeletas ocorreu em um tempo curtíssimo e de uma forma muito agressiva, gerando alguns alertas dos escaladores que repetiam estas vias.

Uma das chapeletas da via "Tchuc-Tchuc",  da época da conquista, que foram trocadas
Uma das chapeletas da via "Tchuc-Tchuc", da época da conquista, que foram trocadas

O principal motivo da rápida degradação se deu pelo fato das chapas terem sido colocadas com em erro básico, por mero vacilo durante a montagem do conjunto chapa-parabolt: a diferença no tipo de material. Enquanto as chapeletas haviam sido confeccionadas em aço carbono 1020, os chumbadores (ou parabolts) eram de aço inox 304. Esta é a chamada "corrosão eletrolítica", quando dois metais distintos entram em contato, tendo assim a formação de uma pilha com a circulação de elétrons na superfície metálica, fazendo com que um metal comece a corroer o outro.


De todo modo, além das chapeletas, diversos grampos em aço carbono (unicamente) também apresentavam estado avançado de corrosão, indicando um ambiente muito salino, provavelmente pelo spay marítimo (ou maresia) advindo das praias muito próximas.

Um dos grampos de aço carbono da "Furanga Kid", trocados durante a manutenção
Um dos grampos de aço carbono da "Furanga Kid", trocados durante a manutenção

Sabendo que as intempéries assolam sobremaneira as proteções nesta área, decidimos por utilizar nas manutenções, as chapeletas PinGo da Bonier, produzidas em aço inox 316L, sendo este um aço autenítico de altíssima qualidade, durabilidade e resistência à corrosão.


A manutenção da "Furanga Kid" (4° V E2 D2 - 290m), localizada na face oeste do Morro dos Cabritos, com acesso pelo parque da Catacumba, Lagoa / RJ, foi realizada no dia 25/03/2023, por mim (Pedro Bugim) e pela minha esposa, Laura Petroni.

Laura Petroni escalando a "Furanga Kid", durante a sua manutenção
Laura Petroni escalando a "Furanga Kid", durante a sua manutenção

Os três primeiros grampos da via (exatamente o crux), que estavam bastante deteriorados, foram devidamente substituídos. Todas as 15 chapeletas de aço carbono utilizadas na conquista, também em estado precário, foram substituídas. Foram duplicadas as paradas intermediárias, permitindo rapel com corda única. Por fim, uma proteção foi posicionada no final da via, intermediando o último lance.


Todas as 24 novas proteções foram feitas com chapeletas Pingo em aço inox 316L. As outras 26 proteções que foram mantidas ainda se encontram em ótimo estado, sendo em grampos de aço carbono (1/2 polegada).

Croqui atualizado da "Furanga Kid"
Croqui atualizado da "Furanga Kid"

Já a manutenção da via "Tchuc-Tchuc" (3° IV E2 D2 - 220m), na face sul do Morro dos Cabritos, Copacabana, foi realizada por mim, em conjunto com o João Pedro Vergnano, meu filho, no dia 01/04/2023.

João Pedro escalando a "Tchuc-Tchuc", durante a sua manutenção
João Pedro escalando a "Tchuc-Tchuc", durante a sua manutenção

Foram trocadas 20 proteções em avançado estado de oxidação, entre grampos e chapeletas, além de serem duplicadas as paradas intermediárias para rapel, permitindo a descida com uma única corda. Foram mantidos 12 grampos de ½ polegada, em aço carbono, originais da conquista, ainda em ótimo estado.


As proteções utilizadas foram chapeletas PinGo em aço inox 316L, cedidas através do Fundo de Incentivo ao Manejo de Trilhas e Escaladas (FIM-TE) da Federação de Esportes de Montanha do Estado do Rio de Janeiro.

Croqui atualizado da "Tchuc-Tchuc"
Croqui atualizado da "Tchuc-Tchuc"

229 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page