Nova via em Petrópolis: "Refazenda" (4 IVsup E2 D1 - 215m - Mista)

Atualizado: Jan 7

Mais uma via espetacular em Petrópolis, sendo a segunda via completa na Pedra do Moinho, Sumidouro.

Arthur Estevez na conquista da primeira enfiada da "Refazenda" (4° IVsup E2 D1 - 215m - Mista)

A história desta via começou no dia 08 de junho de 2019, quando eu e Laura havíamos combinado de ir com o Arthurzinho, conhecer a Pedra do Moinho, uma belíssima parede no bairro Sumidouro, Petrópolis. Esta parede, até então, contava apenas com um projeto há tempos parado e uma única via completa, a via "A Arte do Desencontro" (3° VI E3 D1 - 155m), conquista do Arthur com sua esposa Roberta.


Marcamos encontro na Estrada União indústria, na altura de Itaipava, próximo à entrada de Nogueira. Deste ponto até a montanha, são cerca de 13Km, feitos em menos de 25 minutos. A rota exata até o local de estacionamento pode ser vista aqui.

Arthur Estevez e Pedro Bugim procurando um bom ponto de acesso à parede

Ao nos encontrarmos, saltamos dos carros, nos cumprimentamos e começamos a decidir em qual carro iríamos. Já passava das 9h da manhã e o sol estava inclemente. Foi quando percebemos que, ao descer do carro, o Arthurzinho havia deixado o mesmo ligado, com as chaves na ignição, mas com tudo trancado! Primeiro momento de angústia do dia.... E lá foram Arthur e Laura atrás de um chaveiro, enquanto eu tomava conta do veículo. No final das contas, o seguro foi acionado e em pouco tempo, um mecânico apareceu para resolver a questão.


Rumamos então à parede, já com o horário bem avançado. O caminho escolhido foi pelo pasto à direita da parede, vencido sem grandes problemas até chegar à rocha. Deste ponto, começamos a margear, seguindo à esquerda, na procura de uma boa linha. Com algum trabalho, por conta do mato alto e do terreno irregular, chegamos a um diedro simplesmente PERFEITO! A decisão da nova linha foi bem fácil neste momento.

Laura Petroni e Arthur Estevez na P1 da "Refazenda" (4° IVsup E2 D1 - 215m - Mista)

Mesmo ainda cansados pela subida sob um sol escaldante, por volta das 11:30h da manhã, rapidamente colocamos nossos equipamentos e o Arthur se encarregou de esticar os primeiros 55 metros, protegidos inteiramente em móvel, chegando a um bom platô onde estabeleceu a P1, também em móvel, utilizando friends pequenos. Chagada a minha vez de subir, escutamos uma voz vinda das casas mais abaixo. Era alguém tentando contato conosco, mas pela enorme distância, não compreendíamos direito o que falavam e não nos fazíamos compreender. A decisão foi sofrida, mas resolvemos abortar a missão e ir conversar, para evitar qualquer mal entendido.


Chegada à casa em questão, conhecemos o Anderson, que tentava contato anteriormente. Compreensivelmente, ele estava preocupado com pedras e equipamentos que poderiam rolar montanha abaixo, pondo em risco sua casa ou as pessoas no local. Além disso, se mostrava preocupado com nossa segurança em geral. Tivemos uma longa e agradável conversa, explicando que a parede, embora pareça próxima, estava longe o suficiente para não representar risco de objetos voadores, assim como explicamos detalhadamente a organização do esporte no Brasil, as Federações, clubes, cursos e demais treinamentos e técnicas de segurança. Como dito, a conversa foi muito agradável e no final das contas, posso dizer que saímos de lá com um novo amigo!

Arthur Estevez na conquista da terceira enfiada da "Refazenda" (4° IVsup E2 D1 - 215m - Mista)

Nosso retorno à região acabou demorando mais do que o esperado, mas, finalmente, no dia 31 de agosto de 2019 o fizemos. Desta vez, sem chaves esquecidas dentro do carro! Optamos inclusive por fazer uma incursão pelo terreno do Sítio do Moinho, pela esquerda da montanha. Aparentemente seria um acesso mais simples, mas no final das contas, achamos que deu na mesma.


Chegamos na base por volta das 10h e mais uma vez, Arthurzinho se encarregou da primeira enfiada. Subi na sequencia e pude comprovar que os lances, embora fáceis, são perfeitos para proteção móvel, sobretudo, parta quem está iniciando nesta técnica. Laura veio por último, também com uma boa velocidade.

Pedro Bugim na conquista da quarta enfiada da "Refazenda" (4° IVsup E2 D1 - 215m - Mista)

Responsável pela segunda enfiada, comecei protegendo alguns lances em móvel, inicialmente com um poderoso camalot C4 #4 e depois, em uma fenda mais delicada, posicionei dois friends menores. Apesar de não serem tão complexos, estes lances passam por uma faixa branca na rocha, extremamente escorregadia, fazendo com que cada passada fosse feita com máxima atenção. Alguns metros acima, as fendas acabam e apenas aos 80 metros, a via ganhou sua primeira proteção fixa. No total, foram 5 proteções intermediárias nesta enfiada, com mais uma passada em móvel, pouco antes da P2, feita com duas chapas, a 55 metros da P1.


Laura começou esta enfiada com certa dificuldade, pois além da rocha ser escorregadia em alguns pontos, há uma horizontal no meio, tipo de escalada que não é muito apreciada por ela... Algum sufoco depois, ela se juntou a mim na P2, com Arthurzinho já ao meu lado.

Laura Petroni na P2, se protegendo do sol

A terceira enfiada ficou na conta do Arthur. E que enfiada! Os lances não passam de um 3°sup, mas absolutamente todos são muito bonitos, seguindo uma linha natural perfeita, com agarras, cristais e "churreiras". 60 metros exatos foram vencidos, com 5 chapeletas intermediárias, para que a P3 fosse estabelecida.


Coube a mim fechar a via, vencendo a quarta enfiada. Ela inicia em um lance relativamente técnico, evoluindo para um costão "burocrático" até a barreira de vegetação do cume. Maiores informações sobre o acesso, podem ser vistas aqui.

Hora do rapel, após completar a conquista da "Refazenda" (4° IVsup E2 D1 - 215m - Mista)

Durante o rapel, aproveitamos para posicionar uma parada dupla um pouco à esquerda da P1, possibilitando assim o rapel com duas cordas, sem necessidade de abandono de material (o que seria obrigatório pela linha da via). Com isso, a via ficou com 215 metros e 22 chapeletas, sendo todas do modelo PinGo da Bonier, feitas em aço inox 304 e sendo rapeláveis.

Na descida, novamente escutamos gritos, vindos das casas de baixo. Desta vez, conhecemos o Humberto, vizinho do Anderson. E mais uma vez, a proza foi longa e muito agradável, haja vista ele já ter sido escalador e ter ficado bastante empolgado com a ideia de ter um pequeno paraíso vertical, praticamente no quintal de casa!


Assim nasceu a via de "Refazenda" (4° IVsup E2 D1 - 215m - Mista), em dois dias bem distintos, mas divertidíssimos e em companhia de pessoas maravilhosas! Agradecimentos ao Anderson e Humberto, pelo carisma e pela disponibilidade de acesso à parede. E agradecimentos especiais à Laura e Arthurzinho, pela parceria perfeita!






0 visualização

© 2018 por PEDRO BUGIM

  • b-facebook
  • Twitter Round
  • Instagram Black Round